quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Fitoterapia & Sexto-sentido


Nossa! Como eu ando preguiçosinha para escrever no blog! Bem, na verdade, nos últimos dias, andava meio cansada mesmo. Dormi onze horas e meia hoje (!). Estava com sono atrasado, mas agora estou quase nova em folha. Digo "quase" por que ainda não estou 100% das costas. Foi difícil resistir à tentação de patinar hoje. Ainda bem que o tempo enfeiou à tarde! Mudando de assunto, comprei ingresso para o show do Fito Paez. Nem combinei previamente com ninguém. Se bem que tenho certeza que a minha amiga Nanica que está viajando irá com certeza. Outra amiga irá me dizer em breve se irá também. Aliás, a mesma ficou surpresa quando disse que nunca fui a um show. Sim, é verdade. Amando música como eu amo, quase nem eu acredito! Me arrependo até hoje de não ter assistido o Legião aqui em Porto quando eu tinha quinze anos. Quando soube que o Fito estaria em Porto (por um outro blog - muchas gracias!), fui imediatamente olhar minha escala de plantões e quase não acreditei quando vi que não tinha nenhum no referido fim-de-semana. Nenhunzinho! Aí pensei: "É agora ou nunca!". Fui almoçar no Bourbon Country e passei em primeiro lugar na bilheteria do teatro. Lá é só o ponto de venda. O show em si será no Pepsi On Stage, em frente ao aeroporto. Confesso quer sou uma fã relativamente recente do Fito. Passei a ouví-lo com mais freqüência de uns dois anos para cá. Agora que estou estudando espanhol, mais ainda. Que língua mais linda - cantada, então, nem se fala! Aprendi o significado real do termo "Fitoterapia" com as duas amigas mencionadas anteriormente. Estou ouvindo "Fotografía", do Juanes, um cantor colombiano de que gosto muito. Trocando de foco novamente (fuga de idéias, só para variar). Queria escrever sobre algo que me aconteceu recentemente no trabalho. Sou uma pessoa bastante cética em relação a algumas coisas. Sou atéia, para quem não sabe. Mas sabe quando se tem a nítida impressão de uma "mãozinha superior"? Fazia bastante tempo que não acontecia isso comigo: um diagnóstico quase intuitivo. Quando tudo apontava para algo mais simples, cismei que poderia ser algo realmente grave. E era. Interessante que, por uma série de fatores, provavelmente não fosse eu que deveria estar atendendo aquela pessoa. Aprendi de uma vez por todas a importância de não subestimar as intuições. Meu lado racional pode chamar de "linguagem não verbal", "instinto" ou "subconsciente" - não importa, se a relevância de desobedecê-los é igual. Meu sexto-sentido está me dizendo que é chegada a hora de assistir ao Grenal! Buenas noches!

2 comentários:

Eduardo Caringi Raupp disse...

Porsupuesto!!!

JC Baldi disse...

Caramba, eu tbém devia ter ido no Fito, tinha uma porção de gente que eu conheço que foi, mas... azar.
O Gre-nal eu vou... hehe
Uma amiga de SP me obrigou a ir com ela...agora tô ferrado. Espero que tu intuição esteja certa!
Bjo